1 de junho de 2013

Posto aqui porque li há um bom tempo, mas sempre tô relembrando esse trecho.
(De uma carta do Flaubert a não sei quem. tá naquele Cartas Exemplares, da Imago.)

"Procuro passar o tempo da maneira menos tediosa, e achei como. Faça como eu: rompa com o exterior, viva como um urso - um urso branco - deixe que tudo se dane, tudo e você junto, mas não sua inteligência. Existe agora um intervalo tão nítido entre o que sou e o resto do mundo, que me espanto às vezes de ouvir dizer as coisas mais naturais e mais simples. A palavra mais banal me deixa às vezes em singular admiração. Há gestos, sons de vozes dos quais não me recupero, e tolices que me dão vertigens. Você já escutou alguma vez atentamente as pessoas falando numa língua estrangeira que você não entendia? Comigo é assim. à força de querer compreender tudo, tudo me faz sonhar. Parece-me no entanto que essa estupefação não é estupidez. O burguês, por exemplo, é para mim qualquer coisa de infinito. Você não pode imaginar o que o apavorante desastre de Monville me causou. Para que uma coisa seja interessante, basta olhá-la durante muito tempo."

Um comentário:

Beverley de Graustark disse...

I agree with the other comments, i love the presentation of it all! It's a nice red which is relevant to the song, and i like how the white stands out from it and it's a nice clean font which is cool. Lol, sorry if it's weird me saying this but just showing some appreciation! ;)