3 de julho de 2011

na última vez que vi Ruim, o poeta, ele estava
sentado na rua repetindo
me dá um trocadilho, me dá um trocadilho

4 comentários:

Enzo Potel disse...

é fácil ser doente mental.
ontem, na feira de Jaraguá, vi um cara muito parecido com a imagem que tenho de você. ele tinha uma namorada e estava entre livros. hesitei, mas fui la perguntar: "perdão, você é o eduardo?"

NÃO

ahahahahahahaha

Eduardo Silveira disse...

hahaha

Moni. disse...

Óh, mundo egoísta,
o poeta de pires na mão,
em busca de um mote que sirva,
um trocadilho que valha...
Valha-me Deus!

Adorei isso, Edu!

Beijos,

Moni

Eduardo Silveira disse...

rá,que legal.
é seu, moni? dobradinha ^^