22 de setembro de 2013

que tipo de enchente é o desamor que sempre pega a gente desprevenido? é sempre assim: a Defesa Civil vem e avisa e tudo mais, a gente vê os barracos caindo e sonha: mas o meu não cairá, agora é amor, eu sei, a gente vai ser muito feliz junto e, sabe, eu tô cansado de participar de final de campeonato e não levar, o calor por causa da camisa extra por baixo, OBRIGADO JESUS POR ESSA CONQUISTA, e no final não levar, e no final olhar os cara do outro time tirando o uniforme e exibindo camisas muito parecidas com a minha, enquanto a minha mensagem pra deus apodrece de suor, por que a gente ainda faz essas coisas, por que ainda aposta tudo que tem no outro? e de repente o objeto amado vai embora e a gente passa a odiá-lo porque é o jeito mais fácil de esquecer. Poxa vida, eu odeio o jeito da torcida que finge nos amar e canta o jogo todo mas se a gente escorrega uma vez só ah não não tem perdão somos vagabundos filhos da puta.  E sabe o pior? Sempre tem um filho da puta. Sempre tem a porra dum comentarista pra explicar nossa derrota, um cuzinho de um governadorzinho que aparece abalado na tv declarando estado de calamidadezinha, a bosta dum amigo que nos dá um tapinha leve nas costas e diz ah, mas isso vai passar, cara. Sim, é verdade que uma hora a água desce, e o barro seca, e se enterram os mortos, e um novo campeonato se inicia, e me apaixono de novo, depois da chuvarada vem o arco-íris né? ha-ha-ha, seus pau no cu do caralho. Como isso me cansa. Esses treinos de condicionamento físico me cansam. Pendurar e recolher a rouparada da casa inteira. Esses ciclos me cansam e me cansa a loucura de abandonar o ciclo, me cansa pensar em outro lugar pra morar, porque não há dinheiro e as crianças precisam comer a cada três horas, a cada três horas tão chorando, me cansa treinar treinar treinar e ficar no banco. eu fiz um gol no treino, dei vários passes, o treinador não viu? o que esse filho da puta quer? que eu faça milagre? que eu pare essa chuvarada que já dura uma semana? que eu dê uma paulada nos corno da mulher pra que enfim perceba o quanto eu a amo? porque o treinador ainda escala aquela poita gorda que no treino só faz firula e chuta bola na trave? porque ela decidiu namorar aquele bosta? por que deus faz chover tanto aqui e nada nos deserto? que ódio que eu tenho dessa gente que na falta do que dizer diz merda. Porque não se calam? Vocês já viram o mundo da marca do pênalti? Vocês já perderam um grande amor? Aliás, vocês atribuem ao amor o mesmo valor que eu? Vocês já perdero um parente pra enxurrada? Não né. Só quem passou por isso é que sabe.

3 comentários:

Beverley de Graustark disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Eduardo Silveira disse...

"NÓS DOIS SABEMOS QUE ESSAS COISAS NÃO FAZEM O MENOR SENTIDO, MAS QUE SE HÁ DE FAZER? NADA A FAZER ! !! DEIXEMOS AS PESSOAS ACREDITAREM E REJEITARAM O QUE BEM QUISEREM." - Já dizia Tio Jarbas na postagem anterior.

Não se chateie com o que o eu-lírico diz, Beverley. Ele vive num reino onde as pessoas estão 24 horas por dia cagando e andando.

eu adoro essa cena.
NO HAY BANDA.

Beverley de Graustark disse...
Este comentário foi removido pelo autor.