16 de outubro de 2009

a perdição dos amantes

-- comigo
-- qualquer coisa, pode ser qualquer coisa desde que seja doce, cristal ou febre
-- para uma vala funda
-- solta-me numa baforada longa

me traia
me traga
me trague
me traz
e ele me pergunta
me traga
ele me traga
me traga
e ele me pergunta "o quê? O quê?"

é nesse momento que meu corpo é arrastado e eu sublimo

3 comentários:

Í.ta** disse...

e eu tô lendo "a instrução dos amantes", da inês pedrosa =D

Eduardo Silveira disse...

humm, deixou curioso.

Í.ta** disse...

então vai lá no um-sentir e confere o que escrevi sobre...