15 de novembro de 2009

Vandalismo

falam com as paredes
mas não são loucos
falam sobre as paredes
(dentro do muro ecoa um urro que estava preso sem abismo)

há nesses rabiscos em prédios públicos
uma concisão exemplar (como dizem!)
lapidar
aliás
aquelas cenas de sexo
aquele palavrão cheio de espinhos (fere alguém?)
aquele assinaturas, em letras gigantes e distorcidas
esses rabiscos todos,
não deixam de ser epitáfios

Um comentário:

Í.ta** disse...

constatação do cacete!