3 de outubro de 2010

 para a daia


salta no tanque, a rã:
grito de minha mãe
espanta a poesia

4 comentários:

Eduardo Silveira disse...

para a daia, que andou me cobrando poemas (que tal esse haicai paraguaio?)

;*

Aninha Kita disse...

Adorei! :D

Divertidíssimo, vi a cena, mas senti a poesia (quem sabe antes de ser espantada).

Eduardo Silveira disse...

rs. valeu, ana.

Moni. disse...

Que me perdoe a poesia
Mas eu também a espantaria...


rsrsrs...

Tenho PAVOR de rãs!

Beijos, querido!