2 de outubro de 2010

Breve entrevista com Dona Forca

Os anos passam, métodos suicidas se tornam arcaicos, outros surgem, mas o velho laço de corda não sai de moda. qual o segredo do sucesso, Dona Forca?

- Eficácia e plasticidade, sem dúvida. E não dar corda à algumas falsas tecnologias é algo importante.
- Com isso a senhora quer dizer que armas de fogo, drogas, gases, lâminas (para corte de pulsos) e outros são instrumentos-adversários?
- Também.
- E quanto à defenestração, que não pede nenhum instrumento?
- Coisa de miseráveis sem-graça. pão-duros.
- Mudando de assunto...  a Senhora gosta de sua função? Gostaria de ser outra coisa, caso pudesse?
- Adoro o que sou! Não trocaria meu feitio nunca. Forcas são kamikazes. Sua utilização, sua glória, é também seu fim. Mas é uma bela vida. Enrolada, mas muito fime e bela!
- Logo, a Senhora é uma das que ainda aguardam usuário...
- Naturalmente. (uma piscadela)
- Aproveitando essa última palavra proferida, que pensa a Senhora da ideia de suicídio? Algo natural? Loucura?
- Essa é uma grande dúvida das forcas. Todas morrem de curiosidade de entender. A saída seria perguntar ao suicida, antes do ato. Entender por que ele está tencionando aquilo. Mas, obviamente, nenhuma corda jamais fez ou fará essa pergunta ao enforcando (termo que - no vocabulário próprio das forcas - designa aquele em vias de cometer o ato). Seria burrice.
- Perdoe a ignorância... mas por quê seria um ato tolo?
- Já pensou se, por conta da reflexão originada pela pergunta, o cara resolve desistir? Seria frustrante para a forca! Seria o fim da carreira dela!
- E que fim levam as forcas daqueles que desistem de se matar?
- Viram corda para as crianças brincarem de pular. Horrível, não?
- ....ah. Bem,  falemos de História. Antigamente a Senhora ocupava outros cargos. Além de instrumento para suicídio, as forcas também eram usadas para execuções...
- Ah, meu jovem, bons tempos....  após essa época, a situação ficou difícil. Reduzidas à função suicida, ficamos mais requintadas, sem dúvida, mas faltou trabalho.
- E qual a consequência disso para o grupo das forcas?
- Tiverem de desatar-se, infelizmente! Viraram lixo. Brinquedos. Lamentável.
- Lamento sinceramente. Dona Forca, antes de terminar essa entrevista, uma curiosidade particular... Há alguma relação familiar das forcas com as gravatas?
- Por favor, não toque no nome daquelas vendidas! safadas!
- Desculpe-me. muito obrigado por sua generosa entrevista
- De nada. Você sabe que estou sempre à disposição...

3 comentários:

Daiane da Silva disse...

HAHAHAHA
Adorei!!!

Vamos agendar um debate entre: Dona Forca, Dona Morte, o Diabo e o Plínio... rs

;P

Eduardo Silveira disse...

credo.

:)

Í.ta** disse...

hahahaha!

tu é bom dimaix, cara!
dimaix!

abração.