21 de junho de 2011

algo parecido com a felicidade

"Ao cabo de três assaltos o treinador parou o combate e desapareceu dentro da casa seguido por Merolino.
-- O massagista está esperando, disse o jornalista.
-- Quem é o massagista? -- perguntou Fate
-- Não o vimos, acho que nunca sai ao quintal, é cego, entende?, cego de nascimento, que passa o dia inteiro na cozinha, comendo, ou no banheiro, cagando, ou estirado no chão do quarto lendo livros no idioma dos cegos, aquela linguagem, como se chama?
-- O alfabeto Braille -- disse outro jornalista
Fate imaginou o massagista lendo num quarto completamente escuro e teve um leve estremecimento. Deve ser algo parececido com a felicidade, pensou."


Roberto Bolaño, 2666, (pg 272)
Tradução de Eduardo Brandão,
Companhia das Letras, 2010

2 comentários:

Enzo Buendía disse...

"se isso é estar na pior, PORRA, o que é que quer dizer tá bem"

kkkk

demais, hein?
não é à toa que essa criatura tá um sucesso por onde passa. ja coloquei uma passagem do 266 (tradução do Quintana) lá na coluna. Mas não li o livro.

Beverley de Graustark disse...

e eu ainda sou obrigado a ver um comentário meu com quase dois anos de vida.