27 de setembro de 2009

O novo mal do século

olá pessoas. Em tempos de pouca criação, ando desenterrando uns poemas velhos, do ano passado e do retrasado. Muitos carregam grandes defeitos ou escorregam em clichês. Ainda estou cheio desses defeitos, mas pouco a pouco, tenho me desfeito. Mas de alguns eu gosto, e por isso postarei.

Abaixo, um deles. Uma brincadeira com o nosso amigo Álvares de Azevedo.
Abraço.


O NOVO MAL DO SÉCULO

-- Vês, querida, minha febre lenta...
minha fronte lívida,
o suor gelado de meu corpo,
minha agonia doentia,
meu respirar titubeante..
só tu! só tu podes curar o meu sofrer!
-- O que queres, meu poeta? Um beijo quente?
Um afago róseo?
-- Depois, agora quero que me traga um antitérmico, um xarope, um antibiótico e outros comprimidos coloridos...

2 comentários:

Jumbriano disse...

por um momento pensei "O que? O Eduardo atacando nesse tipo de poesia?"
Quebrei a cara.
xD

Eduardo Silveira disse...

haha, não fala assim!
eu gosto do álvares!
e do billac!
e dos românticos!

minha paixão é pelos modernistas/modernos...

=D